Sudão do Sul

Conheça os destaques da atuação de MSF no país

Primeira projeto de MSF no país em 1983

1.120.900 consultas ambulatoriais
292.100 pacientes de malária tratados
60.500 pacientes internados

Menos da metade da população do Sudão do Sul tem acesso a serviços médicos adequados, apesar de um período de paz e promessas de união após anos de guerra civil. Médicos Sem Fronteiras (MSF) trabalhou em 19 projetos no país em 2019. As atividades variaram desde o tratamento de ferimentos a bala em Agok, prestação de cuidados médicos abrangentes nos complexos de proteção de civis (PoC), vacinação de crianças contra doenças mortais, como o sarampo, até a prevenção contra o Ebola na fronteira com a República Democrática do Congo (RDC).

Respostas a Inundações

Quase 1 milhão de pessoas foram afetadas por inundações sem precedentes, que começaram em julho de 2019. No dia 30 de outubro, o governo do Sudão do Sul declarou estado de emergência nacional. Milhares de pessoas foram deslocadas, incluindo muitos de nossos profissionais locais, que perderam suas casas, colheitas e lavouras. Para responder às necessidades de saúde, implantamos equipes de emergência nas cidades de Pibor, Maban, Lankien e Ulang e nos arredores. Clínicas móveis foram montadas para prevenir e tratar malária, infecções do trato respiratório, diarreia, infecções de pele e desnutrição. Também consertamos latrinas e poços, instalamos sistemas de purificação de água para comunidades locais e deslocadas e distribuímos milhares de itens de primeira necessidade aos mais afetados pelas inundações.

Trabalho Junto a Comunidade para Tratar a Malária

Em 2019, a malária ainda era uma grande preocupação de saúde no Sudão do Sul. Tratamos 292.100 adultos e crianças e realizamos atividades de prevenção e conscientização em quase todos os nossos projetos. Em Old Fangak, por meio de agentes comunitários de saúde treinados, fornecemos testes rápidos e tratamento para malária em ambientes remotos e com acesso limitado a serviços de saúde. Em 2019, os agentes trataram 530 pacientes com malária e 3.450 com diarreia comum. Nossa equipe em Yambio também concentrou esforços no tratamento e na prevenção da malária em nível comunitário, realizando 38 mil consultas gerais e tratando 24.900 pacientes, além de administrar a quimioprevenção sazonal da malária (tratamento oral para prevenir a doença) às 48.100 crianças mais vulneráveis, com idade entre 3 e 59 meses.

Resposta a Surtos de Sarampo

MSF vacinou ou apoiou a vacinação de mais de 96.400 crianças contra o sarampo em Yambio, Malakal, PoC de Bentiu, Aweil, Pibor e Maban.

Refugiados e Deslocados Internos

Estima-se que haja 1,5 milhão de pessoas deslocadas internamente no Sudão do Sul, além de quase 300 mil refugiados do vizinho Sudão. Em 2019, oferecemos assistência médica e distribuímos itens de primeira necessidade a refugiados e deslocados em Bentiu, Mundri, Lankien, Malakal, Yida, Yei, Leer, Old Fangak e no campo de Doro, em Maban. No PoC da ONU em Malakal, realizamos 3.090 consultas de saúde mental individuais e em grupo em nosso hospital de 55 leitos. No PoC de Bentiu, onde vivem mais de 100 mil pessoas, oferecemos assistência médica, cirurgia e atendimento emergencial para adultos e crianças em nosso hospital de 160 leitos. Os PoCs oferecem proteção a pessoas vulneráveis que de outra forma seriam expostas à violência armada. Nesses locais, as necessidades humanitárias e médicas são enormes em razão de más condições de vida, violência contínua e trauma psicológico. Em Maban, mantemos um hospital no campo de Doro, que abriga cerca de 60 mil refugiados. Nossa equipe também trabalha no ambulatório do hospital Bunj, que atende cerca de 30 mil pessoas.

 

Compartilhe
Toda ajuda é muito importante para nós