Nº Especial 2021.

Acompanhando a pandemia em 2020

Por Samuel Sieber, Responsável pelo acompanhamento global da COVID-19 em MSF

A COVID-19 representou enormes desafios para os sistemas de saúde em todo o mundo, deixando alguns à beira do colapso. A partir do início de 2020, em mais de 300 projetos existentes e intervenções dedicados à COVID-19 em 70 países, Médicos Sem Fronteiras (MSF) apressou-se para ampliar uma resposta de emergência global.

Em cerca de 780 unidades de saúde e 983 casas de repouso e lares de longa permanência, MSF se concentrou em medidas de prevenção e controle de infecções. Especialistas treinaram a equipe, configuraram o fluxo de pacientes e as zonas de triagem e instalaram estações de lavagem das mãos. No total, distribuímos mais de 3,2 milhões de máscaras, aventais, luvas e outros equipamentos de proteção individual (EPIs) para proteger profissionais de saúde e pacientes e oferecemos aconselhamento de saúde mental e apoio psicossocial aos profissionais de saúde, assim como aos pacientes e suas famílias.

No início da pandemia, equipes de MSF instalaram enfermarias de isolamento em 10 centros de saúde no maior campo de refugiados do mundo, em Cox’s Bazar, Bangladesh. Apesar das severas restrições de acesso, quase 23.000 pacientes com suspeita de COVID-19 foram atendidos em nossas instalações no campo, entre março e dezembro. Além disso, equipes de promoção de saúde alcançaram mais de 266.000 famílias com campanhas de informação porta a porta sobre prevenção de infecções e distribuíram cerca de 290.000 máscaras e EPIs.

Na África do Sul, o cuidado contínuo e a garantia de proteção aos portadores de doenças como HIV e tuberculose exigiram uma abordagem flexível e centrada na comunidade.

TRATAMENTO DE PACIENTES DE COVID-19 EM CONTEXTOS DE CRISE E CONFLITO
Durante o ano, equipes médicas de MSF internaram 15.400 pacientes de COVID-19 suspeitos e confirmados em 156 centros de tratamento e hospitais dedicados. Cerca de 6.000 desses pacientes apresentaram sintomas graves e necessitaram de suporte de oxigênio.

No Iêmen, onde o sistema de saúde foi destruído por cinco anos de guerra, internamos quase 2.000 pacientes com COVID-19, mais da metade dos quais desenvolveram sintomas graves. Em três centros de tratamento de COVID-19 em Aden e Sana’a, medicamentos essenciais, equipamentos para suporte respiratório e oxigênio estavam constantemente em falta e tiveram que ser transportados em aviões fretados humanitários.

Na Venezuela, as crises política e socioeconômica paralisaram amplamente a resposta nacional à COVID-19. Com negativa de acesso ao país de profissionais e de suprimentos
internacionais, as equipes de MSF lutaram para cuidar dos 1.400 pacientes internados em cinco centros de tratamento que apoiamos. Em Caracas, cerca de 700 pacientes graves foram internados entre março e dezembro.

ALCANÇANDO COMUNIDADES REMOTAS E PESSOAS VULNERÁVEIS
Em maio, relatos sobre a situação catastrófica da saúde no vasto estado do Amazonas, Brasil, levaram-nos a deslocar o centro de operações do Sudeste para áreas ao longo do rio Amazonas. Depois de apoiar hospitais em Manaus e na cidade duramente atingida de Tefé, uma equipe percorreu de barco os arredores para prestar serviços médicos a pequenas comunidades ribeirinhas. Em São Gabriel da Cachoeira, MSF montou um centro de acolhimento para receber pacientes com casos leves e moderados de COVID-19.

No estado de Mato Grosso do Sul, nossas equipes ajudaram a prevenir, diagnosticar e tratar a COVID-19 em comunidades indígenas, onde a alta prevalência de doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, torna as pessoas particularmente vulneráveis ao vírus. Durante o ano, MSF dirigiu 12 projetos em todo o Brasil, apoiando cerca de 60 unidades de saúde, incluindo oito unidades de terapia intensiva ou centros de tratamento.

EQUIPES E SUPRIMENTOS PARA RESPOSTA DE EMERGÊNCIA GLOBAL
Com a maioria dos voos comerciais suspensos por longos períodos, no primeiro semestre do ano a equipe dependia, em grande parte, de voos fretados humanitários. No entanto, quase 4.000 funcionários internacionais conseguiram chegar aos projetos de MSF entre abril e dezembro, apenas cerca de 25% a menos do que durante o mesmo período de 2019.

Do fim de fevereiro até o final do ano, nossos três centros de suprimento global embalaram cerca de 125 milhões de itens para a resposta global à COVID-19, incluindo EPIs, dispositivos médicos, medicamentos, material de teste e equipamento especializado de laboratório.

Compartilhe
Toda ajuda é muito importante para nós